O que a corrida faz com seu cérebro?

Descobertas confirmam o que muitos sabem por experiência própria: a corrida é uma ferramenta para melhorar nossos pensamentos e sentimentos.

0
132
Foto: Adilson Zavarize

Qualquer corredor quase certamente notará que os benefícios do esporte vão além da aptidão física. O prazer de correr é um fenômeno bem estabelecido, e muitos atletas descobriram que sessões regulares melhoram seu estado mental ao lado das melhorias na saúde do coração e dos pulmões. Recentemente, pesquisadores começaram a demonstrar o que acontece no nosso cérebro conforme a pessoa corre.

As descobertas deles confirmam o que muitos sabem por experiência própria: a corrida é uma ferramenta para melhorar nossos pensamentos e sentimentos. Os estudos, então, mostram de forma específica, por que razão correr pode devolver a concentração, acabar com o estresse e melhorar o humor.

Um estudo de 2018 da Universidade de West Michigan, por exemplo, viu que correr por meia hora poderia melhorar o limiar da “frequência cortical”, que é associado a uma melhor habilidade de processar informações.

Estudos cerebrais mostram que meditar e correr podem ter um efeito, de algum modo, similar no cérebro; motivando ao mesmo tempo as funções executivas e reduzindo o ruído da rede neural. Lembrando que isso parece certo do ponto de vista intuitivo, durante uma corrida, é provável que a pessoa esteja imersa no momento, sintonizado com seu corpo, e consciente de sua respiração. Esses são objetivos-chave das práticas mindfulness. A prática da corrida, portanto, ser uma maneira de trabalharmos os benefícios psicológicos da Atenção Plena.

Em 2008, neurocientistas alemães comprovaram este efeito. Os pesquisadores usaram ressonância magnética funcional para analisar atletas, e encontraram níveis de endorfina elevados no cérebro após uma corrida de duas horas. Esse aumento na endorfina foi correlacionado ao sentimento de euforia que os corredores têm.

Estas pesquisas ainda são preliminares. E, com certeza, seu gênero, perfil genético, aptidão física, e outros fatores além vão influenciar o modo como o seu cérebro responde à atividade física. Mesmo assim, esses estudos são promissores.

Mesmo que os benefícios físicos dos exercícios aeróbicos já sejam conhecidos, começamos a ver por que correr pode ter profundos benefícios para a saúde mental. Com sorte, saber disso vai redobrar a sua determinação de sair por aí e correr com mais frequência.

Marcus Yu Bin Pai é graduado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e médico especialista em Fisiatria (Medicina Física e Reabilitação) e Acupuntura.

Deixe uma resposta