PF investiga fraudes no FGTS em Pernambuco e São Paulo

De acordo com as apurações, a organização criminosa tentou resgatar mais de R$ 3 milhões de valores indevidos do fundo. Foto: Divulgação | PF

0
559

Com o objetivo de desmantelar uma organização criminosa especializada em resgates fraudulentos de valores do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), a Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (19) a Operação Demara em Pernambuco e São Paulo.

Cerca de 35 policiais federais estão cumprindo quatro mandados de prisão preventiva e seis mandados de busca e apreensão no Recife (PE), bem como em Caruaru (PE) e São José dos Campos (SP).

A investigação, que teve início em 2015, descobriu um grande esquema de saques irregulares de FGTS. Os principais integrantes do grupo selecionavam pessoas em diversos estados, como Pernambuco, Maranhão e Sergipe, para realizar saques indevidos em nome de terceiros, mediante o uso de documentos falsos e informações indevidas enviadas à Caixa Econômica Federal por meio do aplicativo web do Sistema Conectividade Social.

De acordo com as apurações, a organização criminosa tentou resgatar mais de R$ 3 milhões de valores indevidos de FGTS até o momento, com prejuízo financeiro confirmado em aproximadamente R$ 800 mil aos cofres públicos

Os integrantes da organização criminosa responderão pela prática dos crimes de estelionato qualificado cometido em detrimento de entidade de direito público e associação criminosa. Caso sejam condenados, as penas somadas podem chegar a 20 anos de reclusão.

Nome da operação

A operação foi batizada com o nome de Ferdinand Waldo Demara Jr., morto em 1982, conhecido como “o grande impostor”. O americano, nascido em Lawrence, Massachusetts, adotou diversas identidades falsas, apresentando-se como médico de um navio, engenheiro civil, vice-xerife, assistente diretor de prisão, doutor em psicologia aplicada, advogado, editor, pesquisador de câncer, professor, dentre outras, destacando-se em diversas áreas por sua inteligência.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Polícia Federal

Deixe uma resposta