Tendinite no pé e tornozelo

Esse é um assunto muito importante e cheio de detalhes. Por isso, será divido em 3 partes.

0
152

Tendinite no pé é um problema comum entre pessoas que trabalham duro, fazem esforços repetitivos ou são atletas que aumentam a intensidade ou mudaram o treinamento.

Esta é uma clássica lesão de sobrecarga ou conhecida por esforço repetitivo que afeta um tendão ou mais tendões do tornozelo e pé gerando muita dor, inflamação e até deformidades.

Os sintomas incluem dor ao mobilizar o pé, principalmente ao longo do curso do tendão. Pode haver calor, formigamento, pontada ou inchaço além da presente dor no pé. Isto é devido à inflamação do nervo que rodeia o tendão.

Há uma série de tendões importantes no pé e no tornozelo que são fundamentais para a função diária, caminhada e esportes de impacto. Estes incluem os tendões fibulares (do lado de fora do tornozelo / pé), o tendão tibial posterior (do lado de dentro do tornozelo / pé), o tendão tibial anterior (na parte superior do tornozelo / pé), tendões (extensores sobre a parte superior do pé), e os tendões da parte inferior do pé (os tendões flexores e Aquiles). Qualquer um destes tendões pode inflamar (tendinite) ou degenerar (tendinopatia), devido à atividade repetitiva, causando dor.

Anatomia do tornozelo

(A) Lateral estão os tendões fibulares: curto e longo. (B) Medial: tendão tibial posterior, flexor longo dos dedos, artéria tibial posterior, veias e nervos, e do tendão flexor longo do hálux.

Fisiopatologia das tendinopatias

A tendinopatia termo que é geralmente utilizado para as lesões por sobrecarga do tendão, na ausência de um diagnóstico patológico e descreve um espectro de diagnóstico envolvendo lesão no tendão (por exemplo, tendinite, peritendinite, tendinose). São causadas por overuse (sobrecarga) e são mais prováveis de ocorrer quando o modo, a intensidade ou a duração da atividade física ou mudanças treinamento atlético ocorrem de alguma forma e ou intensidades diferentes da habitual. E até mesmo mudar o local de treino.

Um período de recuperação é necessário para satisfazer as exigências crescentes sobre os tecidos; quando a recuperação é inadequada ocorre a não recuperação celular e consequentemente a inflamação. Portanto, a inflamação do tendão é uma reação secundária.

Inicialmente, há irritação do revestimento externo do tendão. Isto é chamado paratendinite ou peri. Isto conduz à degeneração do tendão, que faz com que o tendão se torne mais espesso. O tendão torna-se então mais fraco e perde a sua força, o que pode levar a uma ruptura completa ou parcial do tendão.

Tipos de pé estão em risco como o pé plano e cavo, ou apenas uma pisada “errada” e é por isso que uma avaliação ortopédica deve ser feita. Assim como encurtamento

A resposta normal a lesão do tendão consiste de inflamação (isto é, tendinite), seguido de deposição de matriz de colágeno dentro do tendão e de remodelação (ie, tendinose). No entanto, uma resposta de cura não pode ocorrer devido a forças mecânicas em curso sobre o tendão, irrigação sanguínea pobre, ou ambos. O tendão passa por mudanças microscópicas, incluindo a deposição de fibrina, a neovascularização, a redução do número de neutrófilos e macrófagos, e um aumento na degradação do colágeno e synthesis.8-10 O tecido resultante é constituído por uma matriz desorganizada de hipercelular, tecido hiper-vascular que é dolorosa e fraco.

Anormalidades no ciclo de marcha pode contribuir para o desenvolvimento de tendinopatias, especialmente no pé e tornozelo.

Ana Paula Simões é Professora Instrutora da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e Mestre em Medicina, Ortopedia e Traumatologia e Especialista em Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia; da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte; e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte.

Deixe uma resposta